APJ
19/09/16 13:35 - Araraquara

Economia criativa ganha espaço em Araraquara

Setores ligados às artes, entretenimento, cultura e gastronomia movimentam mercado e envolvem paixão pelo trabalho

Paula dos Santos

Artistas Horacio e Zé Gandelli garimpam peças artíticas

A economia criativa tem sido tratada como uma das principais tendências responsáveis pela mudança da economia global atualmente. Segundo o economista Charles Bonani, ela faz junção entre o negócio e o prazer, ou seja, são empreendedores que buscam trabalhar e investir em algo que realmente se identifique e traga motivação.

Composta por 17 setores, a economia criativa está ligada às artes, entretenimento, cultura e lazer. “Somente no período de 2003 e 2013, houve uma ampliação de 69% do número de empresas abertas no setor, além do crescimento de 90% da quantidade de vagas de trabalho abertas no segmento no Brasil (Firjan, 2014)”, explica.

Em um momento de crise, investir na área que dá prazer e já está familiarizado pode ser o caminho. “O fato é que esse segmento tem sido tratado como uma das principais tendências responsáveis pela mudança da economia global atual, pela sua capacidade de gerar emprego e renda, além de apresentar crescimento nos últimos anos de retração da economia”, explica.

Um dos exemplo é o Empório Bamboo, que está ganhando cada vez mais espaço em Araraquara. Antes, o espaço era só para venda de produtos saudáveis e naturais, mas hoje serve café da manhã, almoço, café da tarde e no ano que vem pretende ministrar cursos com receitas leves. “Percebemos que muita gente chegava na loja querendo comer alguma coisa com uma pegada mais saudável, então resolvemos expandir”, conta o empresário Diego Inácio Candelero, 23.

Outro diferencial do espaço é o ambiente, todo planejado e decorado para ser calmo e tranquilo, uma pausa na correria do cotidiano. “Vimos que o interesse por alimentação saudável está crescendo cada vez mais. Muitas pessoas estão procurando produtos sem glúten, lactose e açúcar. Aqui temos sucos, vitaminas, tapioca, omelete, lanche natural e muitas outras opções mais leves”, conta.

No ramo da arte, quem se consolida na cidade é a loja Guapo, que vende roupas, artigos de decoração, presentes e muito mais. “Eu trabalho com arte há 35 anos, já fiz acessórios, móveis, arte conceitual e sempre tudo ao mesmo tempo. Conheci meu sócio e companheiro [Horacio de la Rosa, 46] em Trancoso-BA durante uma exposição. Fizemos acessórios por muito tempo, até que quisemos fazer algo nosso”, conta o artista plástico e empresário Zé Gandelli, 49.

Além da produção própria dos dois artistas, a Guapo também tem peças de outros artistas, inclusive locais. “Tem muita gente bacana aqui em Araraquara e temos um público bem eclético, de várias idades e poder aquisitivo. Gosto de pensar que a gente não escolhe nosso público-alvo, eles que escolhem a gente”, diz. Com o olhar apurado da dupla, eles também garimpam mais produtos e marcas em São Paulo.

A junção entre empreendedorismo e inovação não é novidade, já que o empresário inovador é figura central do desenvolvimento econômico, abordado pelo professor Victor Schumpeter em sua “Teoria do Desenvolvimento Econômico” (1911). A questão é: Por que a economia criativa tem se tornado referência e possui cada mais adeptos a cada dia?

Iniciativas interessantes ganham espaço na Memento 838

A arquiteta Lilian Penteado, a fotógrafa Leila Penteado e o ilustrador e quadrinista Luciano Salles formaram a produtora cultural e artística Memento 838. Na semana passada, o espaço ganhou uma nova proposta e agora abre às segundas e terças-feiras, das 15h às 20h, como uma mini livraria e galeria.

“Temos parceiros que publicam de forma independente, pequenas editoras e artistas com trabalhos excelentes que merecem ser vistos. Além dos parceiros, temos muita produção própria que também queremos divulgar”, explica Lilian.

A Memento começou como um fanzine e está crescendo cada vez mais. “Atualmente acontecem eventos como a Feira Plana, os festivais de histórias em quadrinho como o FIQ, a COMICCON, as atividades paralelas às Bienais e feiras de pequenos produtores locais, iniciativas interessantíssimas que endossam o lema ‘faça você mesmo’, algo em que acreditamos muito”, completa.

Análise do especialista

Paixão e motivação no trabalho


Montar seu próprio restaurante ou virar personal chef, ser Gamer ou Youtuber, trabalhar em Coworking, são algumas das inúmeras opções dentro desse universo repleto de oportunidades e prazer. Mas nem tudo são flores. Mesmo que desenvolva um negócio a partir de um hobby ou paixão, é necessário trabalhar duro na modelagem e gestão do negócios, para que ele seja viável e apresente um crescimento sustentável ao longo dos anos. Do contrário, a desmotivação pode tomar conta e aquilo que era um sonho pode virar pesadelo.

Charles Bonani
Economista

Contexto Paulista