APJ
04/06/16 07:01 - Bauru

Eduardo Jorge prega PrevidÍncia unificada

Ex-deputado federal que disputou a PresidÍncia em 2014 prega reforma sem regimes diferenciados

Vinicius Lousada
Samantha Ciuffa
Jorge foi recepcionado pelo vereador Raul Gonçalves Paula

Candidato a presidente da República pelo PV em 2014, o médico, ambientalista e ex-deputado federal Eduardo Jorge ministra neste sábado (4), em Bauru, a palestra “Políticas Públicas e Mudanças Climáticas”. Em entrevista ao Jornal da Cidade nesta sexta-feira (3), o ex-deputado federal, que apoia o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff, admite não nutrir grandes expectativas em torno da gestão Michel Temer, mas defende o estabelecimento de idade mínima para a reforma da Previdência e a adoção do sistema único de seguridade social para todos os brasileiros.

Foi de sua autoria, aliás, a primeira proposta de mudanças nas regras do modelo vigente, ainda em 1992, enquanto deputado federal pelo PT. “Na época, nem os petistas nem o PSDB apoiaram minhas ideias. Diziam que eram radicais, mas radical mesmo é a Previdência no Brasil, insustentável, que arrisca não ter como ser paga lá na frente”, constata.

Eduardo Jorge acredita que para ser justa a reforma precisa abolir as centenas de regimes diferenciados vigentes no País, normalmente mais vantajosos a uma série de categorias, como servidores públicos, magistrados, militares etc. “Tem que ser unificadora, criando um sistema básico para todo mundo, com teto de dez salários mínimos. Não haveria brasileiros diferentes um do outro”, pontua o ex-presidenciável.

Hoje, o teto do INSS – que vale para trabalhadores rurais e urbanos da iniciativa privada em geral – é de R$ 5.189,00. Pela proposta de Jorge, seria de R$ 8.800,00. “Para ter direito a uma aposentadoria maior do que essa, qualquer um teria que recorrer à Previdência complementar”, explica.

IDADE MÍNIMA

No centro da pauta do governo Michel Temer, a reforma da Previdência sinaliza determinar idade mínima para a aposentadoria, pauta incômoda para as entidades que representam a classe trabalhadora.

Para Eduardo Jorge, no entanto, a medida é necessária. “Assusta, mas isso existe em todos os países do mundo. Em alguns setores, algumas pessoas aposentam muito cedo”, acredita.

O interino

Declarado independente em relação à gestão interina, o PV apoia o impeachment de Dilma. “Tentamos dialogar com ela, mas nem respondeu. Venceu a eleição enganando o povo. Prometeu A e entregou Z. O processo é constitucional. O PT fala em golpe para intimidar”, avalia o ambientalista.

Apesar disso, Jorge admite não nutrir grandes expectativas em relação ao presidente Michel Temer. “Seu partido, o PMDB, participou de tudo, inclusive dos escândalos que estão sendo investigados. Mas é melhor um governo precário do que um não governo. Desde o fim de 2014, ela não conseguiu governar. Primeiro porque foi desmoralizada politicamente. Segundo, pelo agravamento das denúncias de corrupção. E, em terceiro, já por conta das heranças dos erros da política administrativa e econômica de Lula”, acredita.

Eduardo afirma que, para entregar o Brasil um pouco melhor em 2018, Temer não deve interferir nas investigações da Lava Jato, frear o aparelhamento político da estrutura estatal e tentar, ao menos, reverter a curva da retração econômica. “Se vai conseguir, não sei. Mas vou torcer”.

Palestras abertas

Promovida pela Fundação Verde Herbert Daniel, a palestra de Eduardo Jorge está marcada para as 10h deste sábado (4), no Sesi Horto, que fica rua Professora Zenita Alcântara Nogueira, nº 1-67. O evento é aberto ao público. O ambientalista lembra que o assunto era esnobado tanto pela direita quanto pela esquerda até o início da década de 1990. Hoje, na pauta da maioria das agremiações políticas, ainda precisa se encontrar de forma mais efetiva com a prática.

“Mas o avanço tem sido rápido, só não sei se virá a tempo”, diz Eduardo, que falará também sobre algumas de suas experiências como secretário do Meio Ambiente da Prefeitura de São Paulo, cargo que ocupou por oito anos.

Além da “Políticas Públicas e Mudanças Climáticas”, o evento de hoje terá as palestras “Cidades Verdes e a Felicidade Interna Bruta”, ministrada pelo ex-deputado federal José Paulo Toffano, e “Pensando e agindo nas cidades”, de Marcelo Silva.

Contexto Paulista