APJ
22/08/14 07:16 - Limeira

Tigrão recua e fala que não postou foto

Em nova versão, vereador estaria na piscina, quando pegaram seu celular

Ligia Zampar

O vereador André Tigrão (PMDB) voltou atrás da sua primeira declaração ao Jornal de Limeira, em relação à postagem que fez em sua conta no Instagram (rede social de fotos). No dia do acidente aéreo que matou o candidato à presidência pelo PSB, Eduardo Campos, o parlamentar publicou uma foto que mostra a presidente Dilma Rousseff (PT) de braços abertos com os dizeres "Mandei derrubar mesmo e se reclamar derrubo o do Aécio".

Inicialmente, Tigrão disse que estava em um aniversário, em uma roda de amigos, e que eles mandaram a imagem para seu celular e que o vereador postou "sem querer" a foto. Ontem, porém, Tigrão mudou o discurso. Ele afirmou que estava na piscina mergulhando e que não ficou com o celular o tempo todo. "Não estava com o celular e fizeram uma brincadeira de mau gosto", contou.

Como o JL informou na última sexta-feira, a Corregedoria da Câmara de Limeira vai investigar a conduta do vereador, após conhecimento do fato pela publicação da coluna Vai e Vem, do Jornal de Limeira. Ontem à tarde, o corregedor do Legislativo, Jú Negão (PSB), se reuniu com o jurídico da corregedoria e decidiu pela abertura de um inquérito, que vai apurar possível quebra de decoro parlamentar.

Segundo Jú Negão, dependendo do material que chegar até a elaboração do relatório final, será definida a sanção de Tigrão. O Código de Ética da Corregedoria prevê advertência verbal, escrita, suspensão e até pedido de cassação. "Temos essas opções. Dependendo do material que chegar, pode ser indicada a cassação", afirmou o corregedor.

Agora, a corregedoria deverá reunir material para abertura dos autos do inquérito, que deve ocorrer até a próxima segunda-feira. A apuração poderá ocorrer em um prazo de 90 dias, e Jú Negão acredita que não será prorrogada. O vereador Tigrão terá 10 dias para fazer sua defesa, após a abertura da investigação ser publicada no Jornal Oficial do Município.
Tigrão, inicialmente, informou que não precisaria de defesa e que não falaria mais sobre esse assunto, mas, depois, disse que vai explicar para o corregedor o que aconteceu. "Eu estava na piscina. Não foi uma coisa que eu fiz", disse.

OUTRA INVESTIGAÇÃO
O vereador Tigrão já foi alvo de outra investigação da Corregedoria da Câmara de Limeira. Ele teria usado um veículo oficial do Legislativo para um evento partidário em Pirassununga. Em agosto do ano passado, a corregedoria absolveu o parlamentar. O caso também havia sido revelado pelo Jornal de Limeira.

Contexto Paulista